A Presença do Senhor enchia o Santo dos Santos

Ex 40:34-35 " Então a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do SENHOR encheu o tabernáculo; De maneira que Moisés não podia entrar na tenda da congregação, porquanto a nuvem permanecia sobre ela, e a glória do SENHOR enchia o tabernáculo."

Quando a glória do Senhor desceu e encheu o tabernáculo pela primeira vez, deve ter sido um espetáculo temeroso. Deus se agrado do seu povo, não por causa da sua bondade, mas porque os seus pecados foram cobertos e eles um dia seriam pagos por Cristo um dia. Creio que o sumo sacerdote sentiu prazer de entrar na presença do Senhor no Santo dos Santos. A palavra hebraica para habitação ou presença de Deus é "Sh'cheenah" ou, como nós pronunciamos: Shekinah (Chequiná). O termo Shekinah era muitas vezes usado na palavra Deus. Na mente judaica, vinha do fato que Ele "habitou" ou "descansou" entre o seu povo, seja um indivíduo, uma tribo, ou todo o povo judeu.

Estudiosos sempre viram uma conexão notável entre o conceito do Shekinah e a idéia do "Logos" "A Palavra" que Philo introduziu no pensamento filosófico judeu. Um valor muito maior foi dado à palavra Logos, quando o apóstolo João a usou no seu evangelho para definir o Senhor Jesus com estas palavras:

Jo 1:1-2 "No princípio era o Verbo (Palavra), e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus."

No Targum judaico, que eram paráfrases de interpretações populares da Escritura do Antigo Tetamento, havia uma tendência para evitar termos antropomorfos. Então a Palavra foi introduzida como um fator de mediação entre Deus e o mundo. Em particular, a brecha entre o Divino e o humano é atravessado pelo uso de tais condições como a palavra hebraica memra (" palavra ") e shekinah (" glória "). " O "memra" procede de Deus, e é seu mensageiro na Natureza e história ".

Estudiosos também vêem as semelhanças entre "Shekinah" (a "Presença" de Deus), O Espírito Santo de Deus (Heb. "Ruach Elohim"; Gr. "Pneuma Hagion"), e o hebraico "Bat Kol" ("A Filha da Voz, " ou "a Voz de Deus"). Qualquer tentativa para encontrar uma diferença significativa entre estas palavras nunca foi satisfatoriamente estabelecida, e assim eles são freqüentemente usadas.


Tradição judaica

Shechinah

De acordo com tradição judia o esplendor do Shechinah, com suas bênçãos incontáveis, "restos" se manifestam naqueles que são piedosos e íntegros. De acordo com os antigos Rabinos o Shekinah aparece no meio de pelo menos um "minyan" de adoradores quando eles oram na congregação, e de dois ou mais judeus quando eles se ocupam no estudo da Torah, ou em um homem quando ele recita o Shema. Também é dito que o Shekinah habita no puro, no benevolente, e no hospitaleiro, e no marido e esposa quando eles vivem em paz e harmonia. Os antigos Rabinos também disseram que o Shekinah apareceu antes de Moisés na Sarça ardente, repousando no Tabernáculo no Deserto no dia da sua dedicação, e no Santo dos Santos no Templo em Jerusalém, e iluminará a felicidade dos justos (Heb. tzaddikim) no mundo porvir.

Os escritos do Talmude concebiam o Shekinah como uma essência espiritual de beleza indescritível e de grande resplendor. Geralmente era falado como uma luz brilhante ou um esplendor e quando se aproximva, era anunciada por um tilintar como um sino etéreo. Uma interessante lenda judaica descrevia Moisés agonizante, até ser envolvido amorosamente nas "asas" do Shekinah.

É dito que, " Onde quer que o povo judeu vá, o Shechinah o segue ".

Bat Kol

É interessante examinar a tradição do Bat Kol que era a voz de Deus proclamando a Sua vontade e intenção, os seus julgamentos e as suas promessas, as suas advertências e suas ordens para as pessoas, tribos , e às vezes para todo o Israel. A Tradição judaica sempre falou do Bat Kol. Quando o Torah foi escrito no Sinai, que a Bíblia diz:

Dt 4:12 " Então o SENHOR vos falou do meio do fogo; a voz das palavras ouvistes; porém, além da voz, não vistes figura alguma."

O Bat Kol soou misteriosamente em momentos extraordinários, e isto foi mencionado na tradição judaica. Por exemplo há uma lenda que diz que quando Deus tomou a alma de Moisés com um beijo, o Bat Kal soou fora, acima do acampamento Israelita com o lamento: " Moisés está morto! Moisés está morto!" Também é reconhecido dando advertências ou anunciando juízos aos pecadores como registrado no livro de Daniel:

Dan 4:28-32 "Todas estas coisas vieram sobre o rei Nabucodonosor. Ao fim de doze meses, quando passeava no palácio real de Babilônia, falou o rei, dizendo: Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com a força do meu poder, e para glória da minha magnificência? Ainda estava a palavra na boca do rei, quando caiu uma voz do céu: A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: Passou de ti o reino. E serás tirado dentre os homens, e a tua morada será com os animais do campo; far-te-ão comer erva como os bois, e passar-se-ão sete tempos sobre ti, até que conheças que o Altíssimo domina sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer."

O Bat Kol tinha sido ouvido pelos Rabinos quando eles tiveram decisões muito importantes para tomar. O Talmude faz menção de vários momentos em que o Bat Kol se manifestou durante a grande assembléia conhecida como o Sinédrio.

Há muitas referências no Novo Testamento do Bat Kol com Jesus e seus apóstolos. João, que escreveu o Livro de Apocalipse disse:

Ap 1:10-18 " Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia. E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno."

O Bat Kol é representado na tradição judaica pelo símbolo de uma pomba.

Havia uma diferença entre o templo de Deus, que era a estrutura, e o templo de Deus que era o lugar da Sua habitação. Quando Jesus estava acusando as autoridades judaicas que Ele disse, "Fizestes da casa de meu Pai um Covil de ladrões" e dizendo " Meu Pai" eles souberam que Ele estava reivindicando autoridade Messiânica sobre o templo, e então disseram, " Que sinal nos mostras para fazeres isto?" e veja o que Ele disse:

Jo 2:19-21 " Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo."

Eles estavam olhando a estrutura física (Heb. Mikdash) do templo mas Ele disse, "Derrubai este templo", Ele usou a palavra hebraica 'Mishkan' que era a palavra usou no Antigo Testamento para a Presença que iluminou o Santo dos Santos no Yom Kippur, no tabernáculo ou no templo. Jesus disse: "Eu sou o templo (Mishkan) de Deus." Quando a glória (Heb. Sh'chinah) vinha como um tornado pelo telhado do Santo dos Santos ¸ e a sua Presença se manifestaria no Propiciatório, entre os querubins, depois que o sangue foi aspergido, era o mishkan. Aquela Presença era o que Jesus disse que habitava n'Ele. E Paul disse sobre a igreja, "Não sabeis vós que sois o templo (Mishkan) de Deus?" Nós, como o corpo de Cristo, temos a mesma Presença que habita dentro de nós. Deus não habita hoje em edifícios, mas dentro do seu povo. Romanos 10 diz que se você confessar com a sua boca que Jesus Cristo é Yaweh, e crê em seu coração que Deus O ressuscitou dentre os mortos, você será salvo. É a partir desse ponto você se torna o Mishkan de Deus. Quando Deus disse "Faça santuário para que eu possa habitar entre eles" Ele disse literalmente "neles". A desejo de Deus sempre foi habitar dentro do seu povo (Jer. 31:31-33) e pôr o Seu Espírito em nós. Quando você recebe a Jesus você se torna o Mishkan de Deus.

É interessante notar que quando o povo de Israel tinha experimentado a glória do Senhor quando ela veio, o povo louvou o Senhor e sentiu a sua bondade e a sua misericórdia clemência:

2 Cr 7:2-3 "E os sacerdotesnão podiam entrar na casa do SENHOR, porque a glória do SENHOR tinha enchido a casa do SENHOR. E todos os filhos de Israel vendo descer o fogo, e a glória do SENHOR sobre a casa, encurvaram-se com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram e louvaram ao SENHOR, dizendo: Porque ele é bom, porque a sua benignidade dura para sempre."

A Presença do Senhor sempre é algo agradável e nunca algo para se ter medo para o crente em Cristo. Quando o Espírito desceu sobre o Senhor Jesus veio em forma de pomba, que era um símbolo de afeto e carícia para Israel. Quando Isaías viu o trono de Deus e o Rei dos reis em Sua glória (Is. 6) ele ficou atemorizado e esperou a morte, a qualquer instante, mas quando um sacrifício é feito e o sangue está presente, o amor e clemência do Senhor também estão presentes, e então, o povo de Deus é compelido a falar:


"Verdadeiramente o Senhor é bom, e o seu amor dura para sempre."

Copyright © 1998 O Acelerador de Conhecimento Bíblico